miércoles, 15 de mayo de 2024

LOULÉ

 


A fundação da cidade perde-se no tempo, mas existem vestígios da ocupação romana. Quando os mouros ali chegaram, em 715, já era uma vila importante. Foi elevada a cidade em 1988.










Foi reconquistada pelos cristãos em 1249, no reinado de D. Afonso III, tendo recebido Carta de Foral em 1266. Da Idade Média temos o Castelo, cujas torres ainda aparecem no meio do casario, assim como alguns panos da muralha. Em 1291, o rei D. Dinis institui uma feira em Loulé, fazendo-se famosa como centro comercial da região.







Ao ser uma vila do interior, não foi beneficiada, directamente, das riquezas da Época dos Descobrimentos, como outras povoações do litoral. Ainda assim existem detalhes decorativos manuelinos nas casas e monumentos desse tempo, como na Igreja de São Clemente ou na da Misericórdia. O desenvolvimento económico veio da aposta nos produtos agrícolas, sobretudo dos frutos secos (amêndoas e figos) e das produções artesanais que se mantiveram durante séculos. 


















































Também me disseram que os festejos do Carnaval de Loulé são dos mais famosos do País.

Num dos jardins encontrei esta flor para TI.



20 comentarios:

São dijo...

Estive relativamente há pouco tempo em Loulé e gosto da terra.

Ainda era casada quando fui ver o Carnaval, mas não foi nada de extraordinário...Agora , desconheço.


As tuas fotos e respectivas legendas são, como é hábito, de grande interesse.

Carinhoso abraço, querido amigo.

Tais Luso de Carvalho dijo...

Olá, amigo Duarte, estou tentando comentar, está um tanto difícil!
Mas espero que desta vez o comentário fique aqui. Tentei na última postagem e não consegui. Mas sempre vou tentando.
Bem, gosto imensamente de ver vilas, cidades antigas, ver a maravilhosa arquitetura e os ambientes.
Nesta, gostei muito do Mercado (muito o parecido com o nosso de Porto Alegre). A arte sacra, uma beleza, as ruazinhas estreitas...
A penúltima foto do casarão de esquina, temos aqui um igual, parece que trouxeram daí, ou levaram daqui 😄😁.
Linda sua postagem!
Uma feliz semana, aí, querido amigo. Aqui estamos indo...
Beijo.

Eugénio Tavares dijo...

Loulé é uma cidade bonita, aonde é bem visível na sua arquitetura urbana trasos islâmicos.
No período dos "Descobrimentos e Expansão Marítima, a região do Algarve, nomeadamente Loulé, inicia um novo ciclo de crescimento económico.
A actividade comercial foi reanimada.
No século XVIII, nomeadamente no reinado de D. João V, um período de grande prosperidade que o país atravessa a devido ao ouro vindo da então colónia, o Brasil, foi proveitoso para a actividade artística e cultural inserida no espírito do Barroco.
O interior das igrejas e capelas da Vila são enriquecidas e valorizadas com excelentes retábulos em talha dourada e em azulejaria, obras que foram executadas pelos melhores artífices da região e fábricas do país.
No entanto, com o terramoto de 1755 destruiu grande parte da Vila de Loulé.
Já no século XIX, com a grande evolução dos transportes, iniciada pelo engenheiro Fontes Pereira de Melo, a construção da linha férrea no Algarve em 1887 e o desenvolvimento das vias de comunicação, contribuíram no seu conjunto para a profunda mudança no modo de viver da população.
No século XX, o crescimento da cidade com a melhoria das vias de comunicação e na exploração mineira, a qual atraiu mais gente a Loulé, o que se traduziu numa acelerada actividade de construção civil em todo o município.
Termino evocando o poeta popular, António Aleixo, apesar de não ser natural de Loulé, pois nasceu em Vila Real de Santo António, no terminar do século XIX e veio a falecer em Loulé nos meados do século XX.
Era um poeta que compõem e improvisa nas mais diversas situações e oportunidades.
Amigo Duarte, só te posso agradecer por mais esta partilha!
Um bem-haja!

Duarte dijo...

São,
há anos que lá não ia e dediquei-me a visitar o Algarve passo a passo e gostei muito de TUDO.
Quanto ao carnaval, foi que me comentaram e que me chamou a atenção pela fama que tem o de Ovar.
Sabes que gosto do mundo da fotografia, depois serve-me para repassar os bons momentos vividos. Obrigado, isso ajuda a seguir e a melhorar.
Grande abraço, querida amiga

Duarte dijo...

Tais,
a mim também me está a passar o mesmo em quase todos os blog. Ante este adversidade comecei a usar Google Chrome e lá vou conseguindo. Agradeço o teu esforço pelo prazer em poder ler os teus comentarios.
Sim, é um dos mercados mais bem organizados que já vi, quanto a exposição dos produtos e uma higiene esmerada. Assim como a ornamentação das igrejas.
No Brasil existe muita arquitetura parecida, os arquitetos foram os mesmos naquele então.
Obrigado.
Grande abraço de vida, querida amiga.

Maria Rodrigues dijo...

Fantástica reportagem fotográfica, gostei muito de rever Loulé, fui lá visitá-la à muitos anos atrás, na altura o que me chamou mais a atenção foi o seu lindo mercado.
Beijinhos

Mário Margaride dijo...

Boa noite amigo Duarte,
Belas imagens de Loulé aqui partilhas. Não conheço pessoalmente Loulé. Nunca lá fui. Talvez lá vá este verão, quem sabe!
Belas fotos aqui partilhas. É de certeza uma bela cidade.

Excelente partilha!

Deixo os meus votos de um feliz fim de semana, com tudo de bom.
Abraço amigo.

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com
https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

Rosa dos Ventos dijo...

Gosto muito de Loulé, sobretudo do seu mercado, de António Aleixo sentado na cadeira e da vendedora sentada no muro, perto do mercado.
Confesso que nunca entrei em nenhuma igreja mas visitei a casa museu de Duarte Pacheco.

Abraço

Duarte dijo...

Eugénio,
agradeço os dados históricos que aportaste, já que vieram a enriquecer o que por aqui deixei.
Assim é, todo o Algarve apaixona mas esta pequena cidade deixou-me encantado. Tudo é pequeno, mas belo e com rasgos profundos dum passado carregado de história.
Isto não quer dizer que a todos enamore, mas a mim e aos que iam comigo sim.
Forte abraço de vida

Duarte dijo...

Maria Rodrigues,
aprovei bem e vi tudo aquilo que nos foi possível e com agrado. Do mercado, aparte da arquitetura a limpeza em tudo, com uma excelente distribuição dos produtos.
Grande abraço

Duarte dijo...

Mário,
espero que possas ir, vais gostar e até pode que seja uma fonte de inspiração para ti: POETA.
Obrigado amigo.
Grande abraço e uma boa semana.

Graça Pires dijo...

É bom passear por Loulé na sua reportagem fotográfica. Obrigada.
Uma boa semana.
Um beijo.

Jaime Portela dijo...

Uma cidade com História.
Bem documentada nas excelentes fotos que aqui nos apresentas.
Boa semana caro amigo.
Um abraço.

Duarte dijo...

Rosa,
das igrejas o que mais impacto nos causou foi a beleza dos azulejos. Bom, como em quase todo o Algarve.
A Casa Museu do Duarte Pacheco, entre essas duas lojas de moda e com uma fachada linda, tinha a porta de baixo aberta e entrei, subi as escadas, mas a porta de acesso ao que suponho era o Museu estava fechada. Falei com a senhora da loja Rainha e simples disse, provavelmente foi tomar um café. Não voltei. Depois vi na net.
Grande abraço e encantado de saber de ti.

Duarte dijo...

Graça Pires,
também está bem, se foi do teu agrado, eu encantado da vida.
Continuação duma boa semana com um forte abraço.

Duarte dijo...

Jaime,
e de grande beleza, não só no monumental como na limpeza que impera nela.
Obrigado, meu amigo de Viana.
Bom fim-de-semana com um grande abraço

Justine dijo...

Reportagem didáctica e excelentemente escrita, amigo Duarte, que completaste com as belíssimas fotografias que fizeste (como sempre...). Deu-me vontade de voltar a esta cidade branca e elegante, onde há tantos anos não vou...
Mas creio que a tua reportagem foi o "empurrão" de que necessitava para me pôr a caminho um dia destes e matar saudades!
Um abraço amigo

Duarte dijo...

Zé,
sabes que gosto de dar o maior número de detalhes, para que os amigos que por aqui vem sofram a tentação de ir.
VOLTA, fazes bem e vais gostar.
Grande abraço de vida e a conquistar o Algarve passeando.

Elvira Carvalho dijo...

Que maravilha!Fiquei com vontade de conhecer Loulé. Na verdade fui lá passar um dia há quase 50 anos, para festejar 10 anos de casada e desde então nunca mais voltei.
Grata pela belíssima amostra. E pela flor.
Abraço de vida para vós

Duarte dijo...

Elvira,
como sei que vais com certa frequência ao Algarve, por isso o meu comentario, convencido de que o conhecias bem. Bom, já existe uma razão para voltar. Nós ficamos todos apaixonados com o Algarve.
Tu mereces tudo isso e muito mais. Não te esqueças que os teus textos são a leitura preferida da Turma.
Um forte abraço de vida, extensivo aos teus.